Brothers and Sisters of the Eternal Son é um passeio pelo indie folk associado a atmosferas de psicadelismo. É o novo trabalho de Damien Jurado e uma das nossas apostas para 2014.

Damien Jurado, cantor e compositor americano está de regresso este ano com um novo trabalho, intitulado Brothers and Sisters of the Eternal Son. O músico possui uma carreira já bastante extensa, com vários álbuns lançados e a sua passagem por diversas labels (entre as quais a Sub Pop, Burnt Toast e a actual, Secretly Canadian). O novo projecto de Damien é uma boa surpresa relativamente ao anterior, Maraqopa (2012), já que é facilmente detectável uma enorme evolução nas composições e melodias apresentadas. Habituados à sua sonoridade usual de indie folk, o músico e compositor permanece na mesma onda, mas Brothers and Sisters of the Eternal Son acaba por se revelar num conjunto de inspirações que vagueiam entre Bon Iver, James Vincent McMorrow e até, um cheirinho a Father John Misty .

O disco abre muito bem com a faixa “Magic Number”, que possui a força necessária para nos despertar o interesse pelo resto do álbum. Um tema extremamente viciante, que provoca uma vontade súbita de a ouvir em loop. É também notável a graciosidade de toda a parte instrumental, excelente e que alia um certo psicadelismo dos anos 70. “Magic Number” termina com cerca de vinte segundos de um instrumental que parece ligar elementos jazzísticos (maravilhosamente, veja-se).

Na nossa opinião os temas chave para este disco começam, sem sombra de dúvida com “Silver Timothy”, o single que foi apresentado com o vídeo de imagens de Oregon.

O contrário acontece com as faixas que se seguem, em que se nota um certo declínio de qualidade em relação ao resto do trabalho. De “Return To Maraqopa” a “Jericho Road” o álbum atravessa uma fase menos interessante, mas em contrapartida, quando chegamos a “Silver Donna” ficamos novamente felizes por verificarmos que este tema possui também um brilho especial, especialmente por fugir totalmente à sonoridade das outras faixas. O ritmo criado pela linha de guitarra associado à parte vocal coloca-nos à vontade num ambiente que arranha o swing. 

Ao longo do disco somos também levados pela sequência melódica de “Silver Katherine” e “Silver Joy”. Dois temas adocicados que nos preenchem a alma e que sobressaem no meio das outras composições pelo seu carácter melancólico e intimista. Por fim, o disco culmina com “Suns In Our Mind”, uma faixa de despedida alegre e que liga pequenos fragmentos de gravações, tornando-se num tema mais experimental.

Brothers and Sisters of the Eternal Son é “leitura” obrigatória para os entusiastas de folk. Um disco que recupera o excelente instrumental dos trabalhos anteriores de Damien Jurado, com vários temas que nos captam a atenção logo após uma primeira audição e outros menos conseguidos.

Nota 8/10

Ana Isabel Palha Rodrigues