Sete dias separam-nos de uma das maiores e melhores celebrações da música electrónica em Lisboa. O Lisboa Dance Festival apresentou-nos um cartaz bastante ecléctico  e prepara-se para tomar de assalto o Lx Factory, no que promete ser uma edição memorável. Para nos irmos preparando para o festival, pedimos a alguns artistas que vão actuar no festival, para fazerem uma selecção de músicas de electrónica.

LINCE, é o alter-ego da artista Ana Sofia Ribeiro, que depois de incursões por projectos mais pop e de inspirações em pessoas com quem se cruzou ao longo da sua vida (como os seus pais) ou até em outras artes que fazem parte do seu ser, criou um universo electrónico, comovente, sedutor, doce  e bastante intimísta. A sua atuação está marcada para o dia 11 de Março no Clube Antena 3 (Sala Ler Devagar), ao lado de outros artistas portugueses como Holy NothingCorona e Rui Maia. Até lá, é ficar com esta playlist personalizada e feita à medida para vocês, são 10Músicas!

1. “Pleasure” – Justice: Esta é uma música que pertence a um álbum que tenho ouvido vezes sem conta nos últimos tempos. Pela sonoridade, pelas palavras escolhi este tema.
2. “33”GOD”” – Bon Iver: Este tema sai do último álbum de Bon Iver, autor que ainda não me tinha conquistado. Com este álbum mais experimental conseguiu fazê-lo sem dúvida.
3. “Daydreaming” – Radiohead: Decidi trazer um tema de uma banda que me acompanha desde a adolescência. “Daydreaming” é um tema que não passa despercebido a todos os que se revêem nestas palavras do Thom Yorke.
4. “Retrograde” – James Blake: Este é um tema maravilhoso de um músico que me arrebatou ao vivo, fazendo-me querer ter uma sonoridade semelhante quando estivesse em palco.
5. “Solo” – Frank Ocean: Música de uma simplicidade sonora encantadora. Todo o álbum delicioso.
6. “Busy Earnin’” – Jungle: Vi o concerto de Jungle sozinha. Foi dos concertos que mais me fez dançar e viajar. Reproduzi várias vezes a coreografia do video desta música em casa.
7. “Let It Happen” – Tame Impala: Das bandas Rock Alternativo que mais tenho acompanhado nos últimos tempos. Esta música é um exemplo que as músicas longas não precisam se esgotar em si mesmas.
8. “Our Own Roof” – Nils Frahm: Compositor brilhante. Esta música foi uma ajuda e um complemento a uma criação em dança que desenvolvi no ano passado.
9. “Blue Bucket of Gold” – Sufjan Stevens: Este tema pertence a um disco que ouvi imenso no ano passado. De uma nostalgia e intimidade acolhedoras.
10. “Symphony No. 7 in A Major, Op.92: II. Allegretto” – Ludwig van Beethoven: A música clássica é das que mais me faz viajar e dançar. Tinha de trazer um tema que me arrepia sempre que o ouço. Absolutamente genial, não viesse ele de um génio.

Punch Redação