O dream-pop do trio composto por Margarida Falcão, Luís Monteiro e Ricardo Nagy, apresentou na passada quinta-feira o seu primeiro longa duração para um CCBeat praticamente lotado. Os Vaarwell deram um concerto majestoso e, deixaram o público a pedir por mais. 

Eram 21h da noite e os três pontuais jovens, acompanhados de dois músicos convidados, subiam ao palco do CCBeat para apresentar “Homebound 456″, o primeiro disco dos Vaarwell, que saiu no passado dia 10 de Março. Numa noite de quinta-feira algo fria, bastou Margarida Falcão começar a cantar para aquecer todos os presentes. O cenário parecia um de uma peça de teatro soberba e intocável, com uma doce fada no meio com um bonito vestido preto que cantava a todos nós temas sobre variadas emoções que nos deixam a pensar e a vaguear por entre os mundos, que estes sugerem. São letras pensadas, consistentes e bastante maduras acompanhadas por uma melodiosa e, sempre, bela e única voz. O público permaneceu em silêncio, o tempo todo, ouvindo com muita atenção o que se passava em palco. Ainda assim, os presentes não conseguiram deixar de expressar através de sorrisos e muitas palmas, a ternura e alegria que sentiam devido ao que estavam a ouvir e ver. Foram escutados temas do já familiar EP, “Love And Forgiveness”, e tocado quase na íntegra o álbum, “Homebound 456″. Entre cordas por afinar, sonhos americanos que incluíam Bernie Sanders e palavras doces da banda à plateia, o concerto acabou por se revelar superior às expectativas e pode-se garantir que por quantas horas a banda quisesse, todos teriam ficado ali sentados a ouvir. Uma hora durou e pareceu saber a pouco, já que o que é bom nunca é demais. Esplêndidos e sempre incríveis, os Vaarwell têm um grande e promissor futuro pela frente que lhes irá sorrir bastante com todas as certezas. Estão de parabéns.

Texto: Alexzandra Souza

Fotografias: Iris Cabaça (Foto-reportagem completa aqui)