Lisbon International Music Network é muito mais do que um simples festival de música, é uma convenção internacional que tem como principal objectivo a divulgação da música que é feita nos países de língua portuguesa além fronteiras. Nos dias 1 e 2 de Junho o Cais do Sodré vai abraçar a estreia do MIL e a Punch vai marcar presença, como tal queremos dar-vos a conhecer os artistas na nossa rubrica “MIL Who?”. Os Lavoisier são a Patricia Relvas e o Roberto Afonso, uma dupla que nos traz a pop popular da música portuguesa. Vão marcar presença no MIL para demonstrar que a música cantada em português está muito bem de saúde. Estivemos à conversa com eles para descobrir que poderá acontecer de tudo no concerto deles, até pessoas a desmaiar!

Qual a importância do festival para a divulgação da música portuguesa e para a dinamização da cidade de Lisboa?
Sempre que haja alternativas a ambientes/festivais mais mediático/privados a solução passará sempre por festivais como o MIL que reúne uma exposição de bandas do panorama atual português que tudo fazem para subsistir, num meio que à partida muito poucos conseguem vingar. A internacionalização da música portuguesa, para além do “convencional”, é urgente!

Roteiro ideal para a primeira edição do MIL?   
Debate | Mercado Português: O Estado Da Arte,
Debate | Política E Música Popular Contemporânea: Uma Relação Possível
Debate | Música: História E Tendências No Espaço Da Língua Portuguesa.

E os concertos de Cachupa Psicadélica, Galgo, Sensible Soccers e Medeiros lucas.

7×7

1 – Qual a tua primeira experiência com a música?
Roberto: ouvir Hey Jude.
Patrícia: talvez tenha sido através da dança, tendo sido uma experiência mais física e menos intelectual.

2 – De onde vem o teu nome e como é que começaste?
O nome veio numa tarde em Berlim, despojado de posses e preconceitos, logo na “música” nada se perde, nada se cria, tudo se transforma. O projecto começou em 2012, quando a necessidade de fazer música se tornou na coisa mais urgente.

3 – Descreve o teu estilo em três palavras e que ícones da músicas portuguesa e/ou mundial, influenciam o teu som?
Nova música Portuguesa

Catarina Chitas, Fernando Lopes Graça, José Mário Branco, Fausto, Zeca Afonso, Antonio Variações, Elis Regina, João Gilberto, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Mutantes, Chico Buarque, Tom Jobim, Vinicius Moraes, The Beatles, John Lennon, The Doors, Beach Boys, MGMT, Beethoven, Mozart, Stravinsky, Mussorgsky, Ravel, Scott Walker, Nusrat Fateh Ali Khan, Jeff Buckley, Grunge, Motown, Nina Simone, entre outros…

4 – Se pudesses fazer uma colaboração com alguém, vivo ou morto, com quem seria?
Pina Bausch

5 – Para ti, que artista merece o nome numa rua?
Catarina Chitas

6 – Qual o próximo álbum que mais anseias ouvir?
Cachupa Psicadélica.

7 – Qual o teu episódio mais Bizarro?
Tocar um tema sefardita Durme, numa festa de aniversário na Alemanha, e um senhor com mais de 90 anos ter desmaiado e o concerto ter que parar para se chamar uma ambulância, e passados 40m continuámos. O senhor ficou bem.

10Músicas

1- Qual a primeira música que ouviste em repeat? “Hey Jude”
2- A música que vais ouvir para todo o sempre? “O Bolero de Ravel”
3- Uma música que gostasses de ter escrito? “Le sacre du printemps”
4- A música que define a tua juventude? “The way young lovers do” (versão de Jeff Buckley)
5- A letra de uma música que te inspire? “Acordai.”
6- 5 Músicas de bandas que vão actuar no MIL que não consegues parar de ouvir e que nós devemos ter em atenção?
“Skela”: Galgo
“Amor d’1 Laranjeira”: Cachupa Psicadélica
“Sofrendo por você”: Sensible soccers.
“Transparência”: Medeiros/Lucas
“Os dias contados”: Capitão Fausto.