O festival mais aguardado do ano está aí a chegar. É já na próxima quinta-feira, dia 6 de Julho, que o Passeio Marítimo de Algés recebe a 11ª edição do festival NOS Alive para três dias que contam com nomes de peso e muito calor. O festival já se encontra esgotado há algum tempo mas se és um dos sortudos que não vai ficar de fora desta imperdível edição, deixamos-te aqui algumas sugestões de nomes que vais querer ver.

Quinta-feira [dia #1]

 

Alt-J

Todos nós já vimos Alt-J pelo menos uma vez na vida. Como nunca é demais rever e ouvir ao vivo a pop descomprimida do trio, o encontro está marcado para o primeiro dia do festival. Além de que desta vez, a banda traz material novo na sua bagagem. “Relaxer”, o novo álbum de estúdio da banda, será certamente ouvido no Passeio Marítimo de Algés.

Onde: Palco NOS

Horário: 19:10h

 

Phoenix

Já faz algum tempo desde a última passagem da banda francesa em Portugal. Três anos para sermos mais precisos. A banda finalmente regressou e trouxe o novo disco, “Ti Amo”, consigo. Esta doce e dançável pop tem de fazer parte desta vossa celebração à beira mar.

Onde: Palco NOS

Horário: 20:50h

The XX

Provavelmente um dos concertos mais aguardados do ano. Os The XX não são uma presença muito comum no nosso país, (a última vez foi em 2013), pelo que é um pecado perder um concerto tão bom quanto os que esta banda tem por norma oferecer. A qualidade da banda tem vindo a aumentar ao longo dos anos, e o novo álbum soa tão bem quanto se imagina. A variedade e riqueza de sons irá certamente fundir-se para transformar o Palco NOS numa pista de dança sentimental.

Onde: Palco NOS

Horário: 22:40h

 

The Weeknd

Um dos responsáveis pela enchente do dia, o músico canadiano faz a sua estreia em Lisboa na próxima quinta-feira. O r&b de The Weeknd será motivo de paragem e  sobrelotação em frente ao Palco NOS.

Onde: Palco NOS

Horário: 00:50h

 

Bonobo (live)

Desejado há muito é este live set de Bonobo. O Palco Heineken promete transformar-se numa pista de dança durante cerca de uma hora. Dançar sem parar é a premissa correta.

Onde: Palco Heineken

Horário: 01:25h

 

Glass Animals

Tarde, mas obrigatória na lista de qualquer um de vocês. Ou pelo menos deveria ser. Este será o segundo concerto da banda em Portugal que vem agora apresentar o segundo álbum, “How To Be A Human Being”. Perfeito para queimar os últimos cartuchos do primeiro dia.

Onde: Palco Heineken

Horário: 02:55h

 

Sexta-feira [dia #2]

 

Savages

As britânicas sobem ao Palco Heineken no segundo dia para apresentar o último trabalho de estúdio, “Adore Life”. Depois do concerto impecável o ano passado no NOS Primavera Sound, as expectativas são altas e espera-se um concerto intenso e efusivo.

Onde: Palco Heineken

Horário: 18:45h

 

Warpaint

As quatro meninas estiveram na edição deste mesmo festival em 2012, quando ainda eram pouco conhecidas. Voltam agora mais robustas e com novo álbum na bagagem. “Heads Up” será ouvido e rejubilado por todos os que tiverem a sorte de se deslocarem até ao Heineken.

Onde: Palco Heineken

Horário: 20:10h

 

Wild Beasts

Já foram várias as passagens por Portugal, mas será a primeira vez no NOS Alive.  Ainda que a fazer uma infeliz sobreposição com os brilhantes The Kills, temos a certeza que muitos serão os que irão parar para ver e ouvir a distinta e majestosa voz de Hayden Thorpe. E vale a pena parar, nem que seja só um bocadinho antes de se ir para The Kills.

Horário: 21:40h

 

The Kills

A juntar às potentes canções que fazem o nosso coração palpitar mais rápido, existe a energia e química latejante entre Alison e Jamie que se sente nos primeiros segundos de concerto. Resumindo, os The Kills não necessitam de apresentações nem de motivos pelos quais é necessário e obrigatório ver-se este concerto.

Onde: Palco NOS

Horário: 22:05h

 

Foo Fighters

A ansiedade palpita dentro de nós, cada vez que se fala neste concerto. Está mais certo que a banda histórica, fará de facto história. Prevê-se um dos melhores concertos do festival, senão o melhor ao som dos clássicos de rock liderados pela voz de Dave Grohl. Do melhor do Alive, sem dúvida.

Onde: Palco NOS

Horário: 00:00h

 

 

Sábado [dia #3]

 

Fleet Foxes

Sabem aqueles concertos que sabemos que existe a possibilidade de voltar de ser difícil de apanhar a oportunidade de ver? Exato. Este é um deles. A banda das melodias pacíficas que se perdem na nossa mente sonhadora, está de volta e ninguém vai querer perder uma pitada deste concerto. A concorrência é forte, pois apanha um bocado do concerto dos Depeche Mode, mas será certamente um duelo renhido.

Onde: Palco Heineken

Horário: 21:40h

 

Depeche Mode

Volta e meia os Depeche Mode fazem uma visita a Portugal e, podemos afirmar que, vale sempre a pena ver e rever. O concerto inesquecível da edição de 2013 nunca saiu das mentes de ninguém, para sermos sinceros. Os ingleses voltam com o seu synthpop a arranhar o rock e a dar ares de new wave, para despertar o nosso melhor dançarino e deixar-nos a cantar os êxitos em uníssono. Queremos dizer, quem é que não sabe pelo menos uma letra destes senhores?

Onde: Palco NOS

Horário: 22:15h

 

Cage The Elephant

A energia contaminável e pujante dos Cage The Elephant está de volta a Portugal, mas para uma estreia absoluta em solos lisboetas. Quem não teve a oportunidade de ver o concerto no Coliseu do Porto, vê agora uma porta aberta para a experiência que vale toda a espera que esteja a provocar-vos. Não percam.

Onde: Palco Heineken

Horário: 23:40h

 

The Avalanches

Diretos de Melbourne para o Passeio Marítimo de Algés, os The Avalanches são autores de um dos melhores discos australianos da década de 2000 e trazem muitos clássicos consigo. A banda eletrónica será sem dúvida motivo para deleite tardio no Palco Heineken.

Onde: Palco Heineken

Horário: 01:10h

 

Peaches

A artista prima pela sua excentricidade que a faz única e torna os seus concertos eventos completamente memoráveis. Que melhor modo de acabar uma belíssima edição do NOS Alive do que ao divertido som da Peaches?

Onde: Palco Heineken

Horário: 02:30h

 

Texto: Alexzandra Souza

Fotografia: Arlindo Camacho