A invasão às melhores salas lisboetas liderada pela Vodafone é já tradição anual. Além dos grandes artistas internacionais que, ano após ano, visitam a nossa capital, o cartaz é também composto por novos talentos made in Portugal. Iguana Garcia e Sopa de Pedra são duas das novas emergências do talento nacional que, ao lado de caras conhecidas como Manel Cruz, Samuel Úria ou Valete, fazem parte do alinhamento do festival.

Iguana Garcia é a one man band criada por João Garcia no final do ano que passou. Cantar não é a sua tarefa predilecta, mas foi através da fusão da voz a beats electrónicos e aos loops de guitarra e sintetizador que o músico compôs o novo e bem-sucedido álbum. Influenciado pela dance music dos anos 80, é unindo a mesma ao rock psicadélico que Iguana Garcia dá identidade aos sons que produz. “Na Estrada”, “60KF” e “Não Sendo Nómada” são alguns dos temas que integram Cabaret Aleatório, o disco de estreia que lançou em Setembro deste ano e que irá apresentar já no próximo dia 25 no palco da garagem EPAL do festival Vodafone Mexefest.

Sopa de Pedra é o projecto musical de dez mulheres que têm em comum a admiração pela música tradicional portuguesa, desde cantigas das adufeiras da Beira Baixa ou canto alentejano a temas de grandes nomes como é o de Zeca Afonso. É unindo esta última aos arranjos à capella criados pelas próprias que fazem renascer os clássicos com que cresceram não os deixando cair no esquecimento. Fazem história desde 2012, mas foi apenas este ano que nos presentearam com o primeiro álbum, Ao Longe Já Se Ouvia. Dia 25, pela hora de jantar, a Casa do Alentejo, número 58 da Rua das Portas de Santo Antão, será cenário para a apresentação do novo longa-duração das portuguesas.

Maria Roldão