Manuel Fúria & Os Náufragos são uma banda de Lisboa que já lançaram dois álbuns, Manuel Fúria Contempla os Lírios do Campo (2013) e Viva Fúria (2017). Ainda lançaram um EP pelo meio chamado Quatro Canções e Outros Lugares Comuns (2014). Manuel é um amante do rock, das suas sonoridades mais clássicas e de Portugal. Antes deste projecto, Fúria era líder d’Os Golpes, mas entretanto separaram-se. Manuel também já colaborou por diversas vez com Rui Pregal da Cunha dos Heróis do Mar e teve a sua própria editora Amor Fúria, onde teve a oportunidade de lançar e influenciar vários jovens promessas da música portuguesa. Estas são dez músicas para ouvir, guardar e partilhar com a miúda que gostamos.

#10 “Abertura”
Esta é a primeira música do EP Quatro Canções e Outros Lugares Comuns. É uma música que vai em crescendo. A guitarra e a bateria estão em sintonia o tempo todo, também aparecem vozes de apoio (sempre no mesmo tom) a acompanhar os instrumentos, que dá um elemento de grandiosidade. Uma boa introdução para aquilo que é Manuel Fúria.

#9 “Guerra Civil”
“Não, não, não, não, não, não, ninguém saí sem uma arma na mão”. É desta forma que começa uma das outras músicas do EP referido anteriormente. Um música com garra e que mostra vontade de juntar as tropas. Manuel é um líder por natureza e aqui mostra esse lado. General Fúria, sempre às suas ordens!!

#8 “20.000 Naves”
Podiam ser caravelas, mas são naves. No fundo é a nossa vontade de descobrir mais sobre alguém ou sobre o íntimo de uma pessoa. Mais uma canção cheia de power, que faz-nos acreditar no amor. Este tema faz parte do álbum Viva Fúria.

#7 “Estandarte”
A dicotomia que existe entre a cidade e o campo é tema central nas músicas de Manuel e d’Os Golpes. Aqui, Fúria fala dos males da cidade e do quanto é preciso ter cuidado. Também dá a transparecer um instinto protector e paternal. Esta música faz parte do álbum Manuel Fúria Contempla os Lírios do Campo.

#6 “Canção Para Casar Contigo”
Se eu algum dia casar, espero passar esta música no meu casamento. Mas não vai ser para fazer moche. É uma canção muito mexida e forte. Boa para dançar. Traz aquele sentimento de alegria e entusiasmo próprio de um dia de casamento. Que haja muitas pessoas a casar com esta música. Também faz parte de Manuel Fúria Contempla os Lírios do Campo.

#5 “Cala-te e Dança”
Esta é uma das grandes músicas de Viva Fúria. Numa relação um pouco tempestiva, Manuel canta “Cala-te e Dança” como se a música que ele tivesse a ouvir fosse o mais importante. As relações são feitas de altos e baixos, mas o amor pode sempre resistir. Manuel acredita na sua música, mas acredita sempre no seu amor e de quem está ao seu lado.

#4 “Que Haja Festa Não Sei Onde”
Se há um sítio onde Manuel se sente bem é na aldeia. Na aldeia há folclore, mas também pode haver rock. O músico de Lisboa tem todo o prazer em levar o rock à aldeia e dançar com senhora que faz o pão ou com o pastor das ovelhas. No fundo a festa pode ser onde quisermos e é isso que esta música transmite. Vamos à festa! (Dado curioso: no videoclip podemos ver Tomás Wallenstein dos Capitão Fausto a tocar violino, quando ainda era um dos Náufragos)

#3 “Cavalos Brancos”
A exploração já faz parte do ADN português há uns séculos. Mais do que descobrimos outros territórios, acabámos por descobrir um pouco de quem nós eramos. Os portugueses foram exploradores e talvez ainda sejam um pouco hoje em dia. Manuel Fúria continua aos poucos a mapear a música portuguesa!

#2 “Canção Infinita”
Esta talvez seja a canção mais pessoal de Manuel. Fala do seu passado, fala das suas influências e fala dos seus sentimentos. É uma canção muito reveladora e sincera. É sempre difícil para um artista se expor, mas desta vez, Fúria fê-lo de uma maneira delicada e sem ir mais além do que devia. Esta é a musica que fecha o álbum Viva Fúria.

#1 “Os Lírios do Campo”
Para finalizar temos uma das mais bonitas músicas escritas por Manuel Fúria. Aqui percebemos a influência que o interior e o campo tiveram nele. Quando se vive uma adolescência rodeada pela simplicidade das flores ou da inocência dos aldeões, ganha-se um sensibilidade única. Manuel cresceu num ambiente especial e neste tema consegue transmitir todo esse sentimento. Fica assim uma das melhores músicas do cancioneiro português.

Rodrigo Castro