Sintra é um dos locais em Portugal com um vasto historial de misticismo, terror e fantasia. Lugares como a Quinta da Regaleira ou livros como “O Mistério da Estrada de Sintra” são prova disso mesmo. Não é de estranhar que uma banda como os Them Flying Monkeys tenha nascido num lugar tão peculiar. Os cinco jovens sintrenses (Luís, João, Hugo, Francisco e Diogo) formaram uma banda de rock psicadélico e em 2015 lançaram o primeiro EP homónimo e em 2017 o álbum Golden Cap

O primeiro EP dos Them Flying Monkeys, foi um trabalho de apresentação perfeitinha e já com uma dinâmica de grupo muito coesa. São cinco os temas apresentados nesta primeira fase. “Lonely Ground” é uma das músicas mais interessantes, pode não ser a mais virtuosa ou orelhuda, mas mostra algumas ideais soltas e sobretudo trabalho de equipa. A música mais forte do primeiro EP é definitivamente “Space Monkey”. Numa onda mais de classic rock, os Monkeys conseguem apresentar destreza a tocar os seus instrumentos, mas sobretudo conseguem mostrar a criatividade na sua musicalidade. Para quem não conhece o grupo percebe-se que são grandes amigos e querem fazer música que gostam.

Em 2016 continuam a tocar um pouco por todo o país para se darem a conhecer. Participam e ganham o concurso, EDP Live Bands. O prémio dá-lhes a oportunidade de ir tocar ao BBK Live em Bilbao e no NOS Alive em Lisboa. Contempla também a gravação de um disco pela Sony.

Em 2017 sai finalmente o esperado álbum, Golden Cap. Os três singles do álbum são muito reveladores e mostram a sua personalidade. O primeiro é “Molly”, que sai ainda em 2016. O vídeo que acompanha a música, da realizadora Leonor Bettencourt Loureiro, tem um visual muito forte e característico. Mostrando um universo mais adolescente com uma rapariga cheia de sonhos, diários visuais e arco-íris. Uma das melhores canções feitas por esta banda sintrense. “Halos” foi o segundo single do álbum com um ritmo mais lento e sombrio. Aqui estamos definitivamente perante uma música mais madura. Talvez uma linha para explorar no futuro sendo que é uma das canções mais marcantes. O terceiro single “When Pigs Had Wings” dá a transparecer um lado mais cómico e leve. “Golden Cap” consegue pôr em prática todas as ideias que estes cinco jovens de Sintra tinham em mente. Mas eles não querem parar. Já em 2018 têm planeado mais um álbum, já com coisas novas em mente e para cimentar um som mais próprio. Mas mais importante do que quererem mostrar iniciativa é quererem tocar e chegar a mais pessoas.

Estes cinco macacos querem encontrar novos universos, explorar as suas capacidades e compararem-se com os seus pares. Só tenho uma certeza: deixem estes macacos voar!

Rodrigo Castro