Inspirados nos ambientes etéreos da floresta sintrense e no odor azul da maresia, os Them Flying Monkeys apresentam-nos um indie rock com apontamentos de neo-psicadelismo a fazer lembrar os ambientes dos anos 60 e 70. Prova disso é o seu primeiro álbum, Golden Cap, que nos leva para um mundo fantasioso, cheio de situações improváveis e bem-humorado. Antes da sua actuação nas Punch Sessions de dia 24 (este Sábado, com os Flying Cages e os Ditch Days) desafiámo-los a desvendarem as músicas que já lhes marcaram a vida, alguns guilty  pleasures e ainda artistas que devemos ter em atenção.

1. Qual a Primeira música que ouviste em repeat?
Diogo Sá: DaWeasel – “Retratamento”
Quando tinha 12 anos ofereceram-me o Re-Definições e rapidamente fiquei obcecado com esta música.
Francisco Dias Pereira: ”Rádio Ska” – Despe & Siga
Tinha quatro anos e fui com a minha família para a Noruega, de carro e roulotte. Digamos que eles ouviram-me em repeat por 10 000 km.
Hugo Luzio: Dream Theater – “The Dance Of Eternity”
Não sei qual foi a primeira música que ouvi em repeat, mas sei que a “The Dance of Eternity”, dos Dream Theather se inclui, provavelmente, nesta categoria. Foi uma das músicas que mais me motivou a ultrapassar algumas barreiras técnicas na bateria, quando era mais jovem, tendo dedicado muito tempo a tocá-la.
João Tomázio: Linkin Park – “One Step Closer”
É uma música contagiante, de uma banda que marcou uma geração e, como esta, tem tantas outras músicas que exteriorizam uma raiva brutal e tremenda.
Luís Judícibus: Xutos & Pontapés – “Contentores”
Os grandes clássicos dos Xutos, Da Weasel e Linkin Park compunham a playlist do meu primeiro mp3. Escolhi Xutos, porque de todas, era sem dúvida a que mais ouvia em repeat.

2. A música que vais ouvir para todo o sempre?
Diogo Sá: Pearl Jam – “Black (unpluged)”
É uma música que ouço desde sempre e ainda não me cansei de ouvir, sobretudo esta versão.
Francisco Dias Pereira: Ella Fitzgerald e Nelson Riddle Orchestra – “Skylark”
É difícil um gajo dizer qual é a música mais bonita do mundo, mas quando penso nisso, esta é a primeira.
Hugo Luzio: Gustav Holst – “Mars”
A “Mars”, do compositor Gustav Holst, porque exibe, em sete minutos, todas as propriedades que caracterizam as minhas preferências estéticas em relação à música clássica. É rápida, pesada e frenética.
João Tomázio: O-Zone – “Dragostea Din Tei”
É a resposta mais sincera que posso dar. Feliz ou infelizmente, esta dos O-Zone foi das músicas mais mainstream de todos os adolescentes da minha geração e, em mim, deixou marcas.
Luís Judícibus: Psychedelic Furs – “Love My Way”
É uma música e uma banda que conheci há pouco mais de um mês atrás, enquanto via o filme Call Me By Your Name. Contudo e mesmo sendo uma obcessão recente, é uma música para ouvir para sempre.

3. Uma música que gostasses de ter escrito?
Diogo Sá:
The Beatles – “Strawberry Fields Forever (love version)”
Acho que é uma composição brilhante, principalmente a montagem feita para a versão do álbum Love.
Francisco Dias Pereira: Radiohead – “Everything In Its Right Place”
De há um tempo para cá que a banda que tenho como principal referência musical é Radiohead. Esta música soma bem as razões que me levam a isso.
Hugo Luzio: Ariel Pink – “Another Weekend”
A “Another Weekend”, do Ariel Pink, porque equilibra perfeitamente a sua simplicidade com a sua profundidade, aliadas a uma estética que só pode ser atingida por quem tem muito bom gosto.
João Tomázio: Level 42 – “Lessons In Love”
A “Lessons In Love” tem uma super linha de baixo, que sendo baixista não podia ignorar. Tinha de a incluir nesta lista.
Luís Judícibus: Radiohead – “Airbag”
É uma grande música, de um grande álbum, de uma das melhores bandas de sempre. Acho que isto chega para justificar a minha escolha.

4. A música que define a tua juventude?
Diogo Sá: Nirvana – “Smells Like Teen Spirit”
A “Smells Like Teen Spirit” esteve em todas as minhas crises de adolescente.
Francisco Dias Pereira:Xutos e Pontapés – “Vida Malvada”
Xutos é a banda da minha infância. Foi o meu primeiro disco, o meu primeiro concerto, a minha banda preferida para aí até ao 12 anos. Era louco por esta música quando era puto.
Hugo Luzio: Bring Me The Horizon – ”Diamonds Aren’t Forever”
A “Diamond’s Aren’t Forever”, dos Bring Me The Horizon, porque tem a dose certa de crueza, potência, peso e negrura.
João Tomázio: Metallica – “Enter Sandman”
Foi uma música e uma banda que despertaram em mim uma enorme vontade em procurar sonoridades mais agressivas.
Luís Judícibus: Limp Bizkit – “Nookie”
Entre muitas outras bandas de nu-metal e punk rock/pop punk que ouvi durante a minha adolescência, os Limp Bizkit foram uma das mais especiais. Como sou um menino, esta foi uma das bandas mais agressivas de que já gostei.

5. A letra de uma música que te inspire?
Diogo Sá: Pink Floyd – “Time”
É uma música de um álbum e de uma banda absolutamente transversal a todos os tempos.
Francisco Dias Pereira: Chico Buarque – “Bom Conselho”
É tão pura e simplesmente a música que define a minha forma de estar na vida.
Hugo Luzio: Daniel Jonston – “True Love Will Find You In The End”
A letra da “True Love Will Find You in the End”, do Daniel Johnston. Ou a letra de qualquer outra música do Daniel Johnston, porque é um dos tipos mais sinceros a escrever que já ouvi. E porque, acima de tudo, é um dos tipos que mais me faz querer ir ler as suas letras, ao ouvi-lo, o que não é nada comum.
João Tomázio: Queen – “The Show Must Go On”
Nunca deitar a toalha ao chão. Acho que é uma música muito motivadora, com uma mensagem clara e bonita, ou não fosse ela tocada, cantada e composta por quem é.
Luís Judícibus: “The Village” – New Order
Os New Order foram uma banda que tive a oportunidade de ver ao vivo no BBK Bilbao, onde tocámos em 2016. A letra de “The Village” é sem dúvida inspiradora, na medida em que desconstrói a temática do amor, comparando-o às coisas mais banais.

6. Cinco músicas de novas bandas que não paras de ouvir e que nós devemos ter em atenção?
Diogo Sá: Flying Cages – “New Shape” | Luís Severo – “Planície” | Cave Story – “Garden Exit” | Pavement – “Great Architectue” | The Lemon Twigs – “Haroomata”
Francisco Dias Pereira: Fleet Foxes – “Third Of May” | Benjamim e Barnaby Keen – “Warm Blood” | Bruno Pernadas – “Spaceway 70″ | O Terno – “Eu Confesso” | Anderson Paak – “Come Down”
Hugo Luzio: Moda Americana – “Singapura” | Toulouse – “Juniper” | “Only Header” – Wild Nothing | Pirraças Pueris – “Pãodemónio” | Connan Mockasin – “It’s Choade My Dear”
João Tomázio: The Black Angels – “I’d Kill For Her” | King Gizzard & The Lizzard Wizard – “Anoxia” | Killimanjaro – “Hook” | Fugly – “Take Me Home Tonight” | Sunflowers – “Castle Spell”
Luís Judícibus: Sunflower Bean – “Come On” | Mighty Sands – “Cacti” | Keep Razors Sharp – “Always And Forever” | Pega Monstro – “Fado d’Água Fria” | Anesthetized Lesson – “GUM”

Punch Redação