Os Meses Sóbrio assumem-se como viajantes. No entanto, são uma banda que começaram agora a sua viagem agora com o lançamento do seu sólido primeiro EP, Folha. Através deste percebe-se que querem percorrer caminhos vários para encontrar o seu som. As influências e as referências estão lá e são fáceis de identificar. De tal forma que esta viagem pode levá-los a muitos locais exóticos ou a conhecer pessoas diferentes, só resta perceber como eles vão usar essas influências para construir o seu som no futuro.

Antes da sua actuação no Sabotage Club em Lisboa a 20 de Outubro com os LaGardère, desafiámos-los a desvendarem as músicas que já lhes marcaram a vida, alguns guilty pleasures e ainda artistas que devemos ter em atenção.

Qual a primeira música que ouviste em repeat
Miguel Rosa: Let it happen” – Tame Impala | Porque a sua energia vicia.
Manel Perdigão: Queens Of The Stone Age – “Go With The Flow” | Primeiro CD que ouvi no meu walkman, e primeira vez que tive acesso à “minha” música, ouvia em repeat indefinidamente…
João Fernandes: Provavelmente a “Plush” dos Stone Temple Pilots, porque o rock dos anos 90 foi dos primeiros estilos a seduzir-me a sério.

A música que vais ouvir para todo o sempre
Miguel Rosa: “Echoes” dos Pink Floyd, a minha musica preferida.
Manel Perdigão: Jimi Hendrix – “1983…(A Merman I Should Turn To Be)” | Sonoridade completamente apaixonante, inovadora e sem dúvida alguma única até aos dias de hoje. É intemporal e a sua magia nunca se irá perder.
João Fernandes: “Flim” de Aphex Twin, pela aura nostálgica.

Uma música que gostasses de ter escrito
Miguel Rosa: “Eclipse” dos Pink Floyd, gosto de letras subjectivas e filosóficas.
Manel Perdigão: Tame Impala – “Runway Houses City Clouds” | A forma absolutamente genial como as várias partes da música estão interligadas revela a surpreendente maturidade musical do artista.
João Fernandes: ”Echoes” dos Pink Floyd, pela melodia introspectiva, composição rica e duração longa que não cansa.

A música que define a tua juventude
Miguel Rosa: Qualquer musica de Tara Perdida. Acompanhou a minha juventude, muitos concertos e momentos
Manel Perdigão: Nirvana – “The Man Who Sold The World” Juntamente com as restantes músicas do MTV Unplugged, marcou a minha juventude e que teve um enorme impacto na minha sonoridade.
João Fernandes:Alabama Song” dos The Doors, porque a minha juventude foi regada a álcool.

A letra de uma música que te inspire
Miguel Rosa: As letras das musicas nao me inspiram. Inspira-me a melodia
Manel Perdigão: Black Sabbath – “Planet Caravan” Uma viagem pelo universo expressa de forma metafórica, em poema. É profundamente inspirador.
João Fernandes:The End” dos The Doors, porque a letra é apenas um devaneio da imaginação sem nenhum sentido pré concebido.

5 músicas de novas bandas que não paras de ouvir e que nós devemos ter em atenção

Miguel Rosa:
“Let it Happen” – Tame Impala
“The Weather” – Pond
“Folha” – Meses Sobrio
“Benzin” – Boogarins
“Lameira” – Capitao Fausto 

Manel Perdigão: O Rock/Pop australiano está cada vez a assumir um papel mais relevante na música mundial. Todas estas músicas de artistas relativamente recentes revelam, na minha opinião, uma sonoridade à qual se deve dar bastante atenção.
Moses Gunn Collective – “Shalala”
King Gizzard & The Lizzard Wizard – “Work This Time”
Pond – “Sitting Up On Our Crane”
Pond – “Burn Out Star”
Miguel, Tame Impala – “Rogue Waves”

João Fernandes:
Boogarins – “San Lorenzo” 
Pond – “Paint me Silver “
War on Drugs – “Thinking of a Place” 
Meses Sóbrio – “Rio”
Tame Impala – “Reality in Motion”

Punch Redação