Num mundo onde cada vez mais se consomem concertos, felizmente, já passou pela cabeça de alguns, com toda a certeza, o platónico sonho de se pagar uma subscrição para se verem concertos. Mas houve alguém que o quis tornar real – e assim foi! João Afonso pegou no sonho e tornou-o real. E ele tem nome: Gig Club.

Quando se ama verdadeiramente a música, por vezes queremos ver bandas emergentes que não têm lugar em programações grandes. Esta foi uma das razões que levou este inteligente senhor a criar uma genial plataforma, que se prevê recheada de sucesso. Pegou na vontade de criar uma nova promotora musical e aliou-a à subscrição, e às bandas emergentes. O Gig Club, numa primeira fase, irá abrir em Lisboa e no Porto. As subscrições funcionam do seguinte modo: para se assistir aos concertos de apenas uma das duas cidades, pagam-se 50 euros. Para as duas, 80 euros. A subscrição dá direito a um bilhete, por ano, para um dos concertos realizados pela promotora. As restantes vantagens, estão no preço dos bilhetes: quem paga a subscrição tem desconto. Quem não paga, não tem desconto. E, quem decidir aderir à subscrição terá acesso a eventos privados que a promotora irá organizar (tais como concertos privados, listening parties, …). Numa fase futura, o Gig Club pretende chegar a Madrid, Barcelona, Londres e Berlim.

A plataforma já está pronta a ser utilizada e merece que pelo menos a vão espreitar. Falando de concertos, já estão confirmados três nomes em Lisboa e no Porto: Jessy Lanza (23 de Janeiro no Porto e no dia 24 de Janeiro em Lisboa); Low Roar (12 e 13 de Fevereiro, em Lisboa e Porto) e o desejado regresso de Kamasi Washington (10 e 11 de Maio, no Porto e em Lisboa). Mas muitos mais se seguirão. Estejam atentos.



Punch Redação