Danças sem fim, é a premissa que liga a música de Jessy Lanza aos nossos corpos. É electrónica que entra através dos nossos ouvidos e que, por sua vez, nos faz querer mexer cada músculo ao ritmo lançado. Jessy Lanza vem do Canadá e já passou por solo português – é mais uma nostalgia de 2017. Volta agora, para que possamos matar as saudades da sua estreia, na altura em dose dupla na capital: um concerto no Lisboa Dance Festival e outro no NOS Alive. Já o norte do país terá o prazer que receber Lanza pela segunda vez.

O Gig Club, atento no que toca a nomes emergentes da música internacional, quis que a sua primeira noite de concertos fosse uma daquelas frenéticas, em que saímos de lá a pingar suor de tanto dançarmos – não que isso vá acontecer, já que o Inverno se apresenta duro. O cenário provável é sairmos do Lux ou do Pérola Negra apenas quentinhos e aconchegados – tanto no coração como na temperatura corporal. Não há álbum novo de Jessy – uma pena, que os nossos sentidos já têm saudades de ouvir algo fresco da canadiana, autora de um genial álbum lançado no passado ano de 2016. Sim, já lá vão três anos desde o seu trabalho mais recente. Talvez esteja na hora de soltar coisas bonitas cá para fora.

De todos os modos, é mais que certo e sabido que esta semana poderemos contar com belas melodias de Pull My Hair Back (2013) e Oh No (2016). Os concertos terão lugar nos dias 23 e 24 de Janeiro, Porto e Lisboa respectivamente. No Porto, será no Pérola Negra e em Lisboa no Lux Frágil. Os sítios onde se prometem perder os sentidos para os voltar a encontrar na música, o ponto comum que liga todos intervenientes, por mais diferentes que estes sejam. Fica um pedido: sabemos que o objetivo é dançar ao som de alegrias mas “Strange Emotion” daria um bonito momento, ainda que triste.

Falando de mais coisas importantes: em ambas as cidades, com subscrição o bilhete é 16 euros; sem subscrição é 20 euros. O dinheiro simbólico que provavelmente gastaríamos num jantar de anos de um amigo. Por isso, porque não gastá-lo numa noite musical que promete ser bombástica? Vão e não se arrependerão. A Jessy Lanza vale a pena – e, mais do que isso: quer fazer valer a pena.

Alexzandra Souza