Fizeram-se alguns anos, desde que o mundo não ouvia nada de novo da, aclamada e acarinhada, Sharon Van Etten. Chega 2018 e lança, um single poderoso e electrizante, Comeback Kid e volta a aparecer nos radares do mundo. Dezoito dias depois de 2019 começar, lança então o disco Remind Me Tomorrow – para entrar a pés juntos no novo ano.

Sharon Van Etten é uma artista nata: multifacetada, não só nos presenteia com músicas excepcionais. Nos largos anos em que esteve sem apresentar nova música, tornou-se actriz e participou na série da Netflix, The OA. À parte do mundo do trabalho, a artista foi mãe. Tudo isto, dito pela própria, deu-lhe um novo prisma da sua vida. O que é normal: as pessoas crescem, fazem mais coisas, e coisas novas, e as visões vão mudando. Chama-se evolução e ela chega a todos nós.

Outra coisa que evoluiu, claramente, foi a sua música. Sempre esteve num patamar privilegiado, diga-se de passagem que ela é incrível. Não obstante tudo isso, ela atinge outro nível com este disco: estamos a falar do melhor trabalho da artista até à data. Em Remind Me Tomorrow, Sharon expõe, de modo nu e cru, tudo o que pensa acerca de relações e sentimentos. Torna-nos no seu confidente máximo. Um catártico indie rock pujante que passa a mensagem, a quem diz o contrário, de que o rock está vivo e bem de saúde. Ele não precisa de estar em tops – estes nada dizem sobre o estado vital de um género que, obviamente, nunca morrerá.

Sharon Van Etten solidificou-se e glorificou-se – liricamente está directa, sem espaço para meias palavras; melodicamente falando está igualmente directa. Contrariamente aos acordes doces, aos quais ela nos habituou em álbuns passados, neste disco ela decide apenas ir directa ao assunto e fazer temas de puro rock carregados de fortes sentimentos reais. Mas não há a extinção das faixas com sabor a mel, mais lentas e não tão potentes – exemplo disso é Stay, que termina o álbum de modo notável.

Remind Me Tomorrow atinge-nos de modo caótico como uma estridente tempestade – mas que sabe tão, tão bem. Tem uma atmosfera extremamente emotiva e vulcânica. Quase parece um diário onde Sharon desabafa as emoções que tanto viveu à flor da pele (ou ainda vive). Uma maneira de fazer as pazes com os sentimentos é falando-se neles. Talvez, tenha sido com esse objectivo que Remind Me Tomorrow nasceu. Ou talvez não. É um daqueles álbuns que nos acorda, e nos traz uma vivacidade nova. Uma lufada de ar fresco no mundo do rock, que merece destaque.

O ano ainda agora começou, é verdade. Ainda faltam muitos álbuns por ouvir, sim. Mas este é, não só o melhor álbum da artista como, um dos melhores álbuns de 2019. É ilustre, distinto e completamente brilhante. É da Sharon Van Etten, que estará este ano no NOS Alive para um enorme concerto. E está tudo dito por agora.

9/10

Alexzandra Souza