Foi nesta sexta-feira que Portugal recebeu o homem mais alto da Terra, sendo Lisboa a sua primeira paragem. Um concerto que animou e marcou a noite de todos, devido a todas as piadas que Kristian Matsson foi contando ao primeiro público português dos três dias em que passou pelas ruas de Lisboa, Aveiro e Guimarães, e também graças à surpresa que The Tallest Man On Earth tinha preparada para o público lisboeta.

Começa o concerto. O palco ainda vazio, e só se ouve o som de uma guitarra, até que entra Kristian Matsson, na pele de The Tallest Man On Earth, dançando como se sentisse em casa, ao mesmo tempo que ia parando e observando cada pessoa do seu público que encheu a Aula Magna, em Lisboa, para o ver. The Tallest Man on Earth sauda-nos com “To Just Go Away” e “Like the Weel”, e antes de recomeçar com “I won’t be found”, elogia o público português e expressa o seu contentamento por estar de volta aos palcos do nosso país, e revela-nos ainda que tinha uma surpresa preparada para esta noite muito agradável

Sempre acompanhado pela sua guitarra (ou será que podemos dizer pelas suas guitarras e pela Hannah, que também mereceu uma grande salva de palmas?), e mostrando também os seus dotes de pianista,  Kristian revela a todos nós que desde os seus 20′s que sempre sonhou em ser uma Nina Simone, mas que nunca o conseguiu. Mas quem diria que iria vestir a pele de Aretha Franklin, fazendo uma versão muito própria de “I Say a Little Prayer”?

Mas esta não foi a surpresa que The Tallest Man On Earth nos trouxe. Se aguardavam por um novo projeto de este músico, a espera termina em pouco tempo, porque ele chega esta semana. E foi no palco da aula magna que Kristian Matsson se aventurou e apresentou pela primeira vez ao vivo uma das músicas desse novo projeto que irá ser lançado esta semana, em que fala dos seus vizinhos em Nova Iorque, e que nos dá um cheirinho daquilo que vamos ter em breve.

The Tallest Man on Earth consegue, mais uma vez, encantar-nos à sua maneira, e deixa-nos a todos com vontade de mais concertos iguais, ou melhores (se possível) a este. 

Márcia Cabral Barroso