Das cinzas do Lisboa Dance Festival, que nos acompanhou por três bons anos, nasce agora o  festival ID_NO LIMITS, da Live Experiences. Apelida-se como um festival que “se foca na música eletrónica e urbana, procurando o mais relevante no campo das artes, sem limites, fronteiras ou rótulos estáticos”. O festival terá lugar nos dias 29 e 30 de Março, no Centro de Congressos do Estoril. Os bilhetes diários custam 35 euros. Os passes até dia 28 de Março têm o custo de 45 euros e, durante os dias do festival, de 50 euros. 

Desde nomes portugueses a internacionais, o mote será dançar até mais não, e quase até que o sol nos volte a bater na cara depois da escura noite. O cartaz está demasiado bem composto, o que nos levará a ter de fazer duras escolhas, quando houver conhecimento dos horários. Para ajudar estas escolhas, ficam dez sugestões que achamos pertinentes, exclusivas e de obrigatório consumo.

Little Dragon

São um dos grandes destaques desta edição e, possivelmente, darão origem a um concerto inesquecível. Estiveram o ano passado no Nova Batida, onde imparavelmente conquistaram a multidão que se emocionava por os ver. Os Little Dragon são suecos, uma banda de peso da cena da eletrónica. Lançaram o EP Lover Chanting, em 2018. É quase garantido que este concerto será uma celebração, onde esperemos que não falte a emotiva “Twice”, para acalmar os ânimos à frenética e explosiva dança.

Kamaal Williams

Kamaal Williams é o alter ego artístico de Henry Wu. Black Focus, trabalho lançado em 2016, lançou-o para a ribalta e teve visibilidade como um dos mais pertinentes trabalhos de jazz dos últimos anos. Assombrosamente versátil, a sonoridade de Kamaal caracteriza-se como um jazz que fornece camadas musicadas acerca da cidade de Londres. Repleto de texturas visionárias e movimentos que nos exaltam os sentidos, The Return – disco lançado em 2018 – assumirá grande parte do concerto que veremos no Estoril.

Arca

Um dos nomes que, talvez, mais provoca ansiedade nesta edição. Arca é um compositor, produtor e DJ venezuelano. Está sediado em Londres e, na ótica de produtor, já trabalhou com Björk, Kanye West e FKA Twigs. Lançou álbum homónimo em 2017 e desde então tem vindo a adquirir um brilho muito próprio, com atuações em vários países. O ano passado esteve no NOS Primavera Sound, com um concerto que deu bastante que falar, pela positiva. Quem não teve oportunidade de o ver em 2018, pelas mais variadas razões, poderá dar um saltinho ao Estoril para ver o que prevemos como um dos melhores concertos desta edição.

IAMDDB

Foi uma das nossas apostas do ano passado. IAMDDB conquistou o que saberíamos que conquistaria – múltiplos fãs pelo mundo, rebentos de músicas genialmente bem abordadas, que cativam à primeira. Diana de Brito tem origens portuguesas e angolanas e deu um concerto de sucesso no Vodafone Mexefest de 2017. Volta agora para nos arrancar suspiros, desta vez no Estoril.

Madlib

A estreia do DJ, multi-instrumentista, rapper e produtor será feita em formato DJ Set, no Centro de Congressos do Estoril. Madlib faz parte da label Stones Throw e é o resultado do hip hop dos anos 80 e 90. Acarinhado pelo mundo inteiro, já trabalhou com artistas como De La Soul ou Talib Kweli e é citado como um exemplo da cultura urbana. Ouvir uma faixa do artista é estarmos a um passo mais perto de entendermos a complexidade sonora do mundo de onde Madlib é originário.

Hunee

Leva uma vida dedicada ao vinil e traz até nós uma música que nos remete para um agradável groove, com misturas de disco e jazz. Viaja pelo mundo inteiro, aproveitando para trazer conforto a todas as pistas de dança por onde passa. As inspirações são fruto de tudo o que vai vendo, ao longo dos dias que vão passando. Desembarca agora no ID_NO LIMITS, para mostrar um bonito retalho do seu universo.

Jacques Greene

É conhecido pelo cruzamento da música contemporânea dos anos 90 (hip hop, RnB, house e techno) de modo eficaz e direto. “Another Girl” foi considerada uma das músicas da década por muitos – o que confere uma exclusiva notariedade a Jacques Greene. O jovem tem um par de músicas que deixa o corpo leve e pronto a dançar. Assim se fará por ser no Estoril.

Dead End

Carlos Salgueiro é Dead End. Já esteve no NOS Alive e em noites CREAM do Dj Glue. Apresenta-se como DJ e produtor que vai em busca de sonoridades fora do comum. Em 2018, lança o EP Gods & Kings, onde se inspirou na mitologia nórdica – é curioso, soa a algo incrivelmente fresco e uma vista de olhos só vos fará bem.

HAAi

HAAi fez parte de uma residência do clube Phonox, em Londres. Mais tarde criou a editora Coconut Beats – e se depois da residência já tinha sido sempre a subir, após isto ainda mais. Está presente em imensos festivais ao redor do globo, e diz-se fã de funk tailandês e turco, ritmos psicadélicos, nigerianos e quenianos. Ainda só tem 4 EPs, mas isso bastará para colocar a pista on fire.

Shaka Lion

Por onde ele passe, é considerado a vibrante tropicália que ateia o clima de qualquer festa. Shaka Lion é DJ e atenta em sonoros onde o baixo e o groove são protagonistas. Inspira-se em tudo, ainda assim. Já atuou em vários sítios icónicos como o NOS Alive e o Festival Iminente. Vem agora até ao Estoril, presentar-nos com uma abrasadora noite.

Alexzandra Souza