Fora do eixo Lisboa-Porto vão surgindo cada vez mais bandas e músicos, que apesar de estarem longe dos epicentros culturais conseguem criar e mostrar os seus talentos. Esse é o caso dos Men On The Couch, o quarteto vindo da Madeira, que ao fim de alguns anos a tocar juntos apresentam agora o seu álbum de estreia “Senso Comum”. Sabendo das dificuldades que teriam para gravar este primeiro trabalho decidiram fazer um crowdfunding online e conseguiram chegar ao objectivo pretendido.

Este é um primeiro álbum onde a banda quis mostrar um leque variado canções, são 11 faixas ao todo, mas com uma grande variedade de estilos. Ouvimos muitas canções que nos fazem lembrar o novo rock português atual, com guitarras a rasgar e solos cheios de confiança. Mas há espaço para momentos mais fora desse espectro e isso dá um certa diversidade a este trabalho.

O álbum abre e fecha e com o mesmo tema, as duas faixas chamam-se simplesmente “Intro” e “Fim”. É forma de banda se introduzir e despedir com algo mais instrumental e abrir espaço para as outras canções falarem por si. A primeira música propriamente dita chama-se “Enredos”, que começa com uns coros mais femininos e que nos levam para um ambiente leve e cheio de texturas. Ao longo de álbum percebemos que os Men On The Couch vão buscar certos elementos e têm um nível de produção cuidado. São ambientes mais exóticos, próprios de uma banda que vem um espaço mais insular e que remete a certas temáticas, específicas de um espaço que consegue sempre ser único.

A música que chama mais atenção é sem dúvida a “Click Bait”. Nesta canção conseguem não só jogar com as palavras, mas também jogar com a expectativa de quem ouve. É uma canção fora do comum, mas muito bem feita. Aliás há um lado alegre e lúdico nestas músicas dos Men On The Couch, que se percebe que parte de uma certa sintonia e amizade entre o quarteto.

Contudo há alguns momentos óbvios neste primeiro trabalho, vemos aqui influências muito recentes do rock cantado em português, por vezes até as melodias e os arranjos estão muito colados as outras coisas que já ouvimos. Mas este é só o princípio, a banda tem outras atributos onde pode explorar e eventualmente mostrar no futuro outras sonoridades, usar novos recursos e construir algo diferente. Não sentimos que estão fixados em algo.

A variedade deste álbum é algo a ter em conta, não só podemos ouvir uma balada, “Areia”, mas também temos uma canção em inglês, “It’s OK”. Isto mostra uma vontade dos madeirenses explorar caminhos diferentes e perceberem o que querem. Num próximo trabalho talvez as apostas sejam outras, mas com este álbum vão conseguir perceber quais as suas maiores qualidades e quais as suas fraquezas. Também há um tema com um crítica social forte, “760”, e isso mostra que é uma banda consciente e com sentido crítico.

Este primeiro álbum dos Men On The Couch é sólido e já com algumas canções interessantes. Há certas coisas que ainda precisam de ser formadas e pensadas pela banda. Mas o facto de termos uma perspectiva descentralizada da música cantada em português já é uma vitória. Os Men On The Couch vieram do meio do oceano, mas já têm um rumo e percebem que podem ainda ter mais para dar.

Nota: 7.0/10

Rodrigo Toledo