Filipa Marinho encurtou o seu nome artístico para simplesmente Marinho e partiu para uma jornada de descoberta, encontrou a sua música e paz interior. Depois de vários anos a trabalhar na indústria musical a artista folk decidiu procurar a música que tinha dentro de si e isso resultou neste álbum, “~” (til). Mais do que mostrar música nova, o público com este trabalho fica a conhecer um pouco melhor quem é Marinho, as suas angústias e um lado emocional, que atravessa muitas pessoas que estão no fim dos seus vintes e a entrar finalmente numa fase mais madura dos trintas.

A primeira música do álbum chama-se “Intro” e logo aí Marinho canta o seguinte: “If I can climb that high; Everything will be alright; Because when I get to the top; Our troubles will be small; There will be no pain at all”. Este é mote para o resto das canções, parece que este álbum foi a montanha que Marinho quis subir, mas nunca teve coragem. Mas agora que ouvimos, percebemos que há várias camadas e que este trabalho também serviu a artista extravasar e mostrar um lado íntimo que os seus pares não conheciam.

Logo na segunda faixa percebemos que não há complexos e “I Give Up and It’s Ok” já é uma música mais mexida, leve e que nos leva para um ambiente mais descontraído. Marinho é multifacetada não é propriamente uma personagem que nos vai dar algo monótono e sem cor. Percebemos que há uma luta interior neste álbum, mas isso serve para mostrar do que é capaz e os seus talentos.

Todo este trabalho é pautado por canções mais melancólicas e esse talvez seja o principal estado de espírito que Marinho queira transmitir. Contudo isso pode estar relacionado com momento que atravessa, mais do que um traço da sua personalidade. As canções vão-nos guiando por um lado mais pessoal, no qual vamos vendo a artista e não a Marinho real. Este capacidade de transformar um sentimento e consegui-lo passar para o público é de uma sensibilidade única e no fundo é criada uma empatia que nos leva sem medos ao seu íntimo.

Também de cumplicidades se faz este álbum e é com Monday que Marinho forma dupla na canção “Not You”. As duas artistas apesar de esteticamente diferentes, Monday mais clássica e Marinho mais irreverente, têm uma afinidade musical muito próxima, que faz com as duas estejam em sintonia nesta canção. Mesmo a canção tem uma lado mais pop e jazz, que tenta mostrar as várias facetas das duas artistas.

A folk de Marinho é despretensiosa e pessoal. As histórias aqui contadas pretendem ser um caminho para um lugar onde a cantora ainda está a descobrir onde vai dar. Este álbum consegue ser sólido e maduro e a partir daqui só podemos esperar novas transformações. Marinho é sincera, isso já torna a sua música verdadeira.

Nota: 7.5/10

Rodrigo Toledo