Depois de lançar o seu álbum de estreia em maio de 2019, Oma Nata está de volta com um novo trabalho. “Everything” saiu no dia 10 de janeiro. É um EP composto por três faixas, lançado pela editora Discotexas.

Mário da Mota Veiga, mais conhecido como Oma Nata, começou por tocar em bandas de metal e eletrónica. Já passou por Berlim e Londres, onde se acabou por fixar, o que mudou e acrescentou à sua música, sons e humores introspectivos que fazem com que o ouvinte se aproxime da descoberta espiritual do produtor.

As suas influências na música vão do jazz latino-americano ao oeste da África, combinando com o estilo clássico de house.

A primeira faixa, que tem o mesmo nome que o EP, “Everything” começa com uma batida suave que se prolonga ao longo da música. São seis minutos de uma melodia relaxante mas dançável que apenas acrescenta uns synths enquanto a música vai evoluindo.

“Sum Day” começa e “leva qualquer um até uma sala cheia de fumo” segundo um documento enviado à imprensa, ao som de acordes cheios de reverb. Sendo que esta música é mais descontraída e calma, segue o mesmo caminho que a anterior, mas com uns movimentos e ritmos melódicos e explosivos a serem acrescentados.

O último tema, “Meditation”, é o mais curto do álbum, com apenas quatro minutos. Transmite exatamente o que o nome indica, um efeito de meditação, enquanto nos leva para outra dimensão, com calma, paz e serenidade. Se fecharmos os olhos conseguimos sentir todas as vibrações dos sons individualmente.

Ao ouvirmos estas faixas percebemos que este EP vai no ritmo da “descoberta espiritual” que Oma Nata quer partilhar com os ouvintes.

Nota: 6/10

Rita Velha