A mais recente aposta da editora Discotexas nasceu em Lisboa, cresceu em Braga e descobriu a sua vocação para a música electrónica no Porto. Diana Oliveira estudou na cidade Invicta e foi aí despertou o seu interesse para o house e o techno. Lançou recentemente o seu EP de estreia “Goal”, este é o primeiro passo para se afirmar como uma voz independente num meio musical tão seleto.

Neste trabalho Diana apresenta três músicas minimalistas que remetem para um estilo de house europeu, mas com sofisticação e um toque feminino. O house com uma sonoridade mais soft tem vindo a ganhar espaço nas pistas de dança e nos clubes mais pequenos. Editoras como a No She Doesn’t, a Shall Not Fade, a Paraíso ou DJs como o DJ Boring e DJ Seinfeld são exemplos claro do ressurgimento de um género que tanto vai buscar referências modernas ou um imaginário mais cinematográfico dos anos 90.

A própria construção destas músicas é feita para vários ambientes que vão para lá das discotecas e encaixam também em momentos como um fim de tarde ou uma festa mais intimista. Nada nesta música electrónica parece ser estanque para um determinado público e isso é uma das vantagens deste género. Molda-se consoante o espaço e o tempo. A música electrónica vive desta ambiguidade e desta exploração, por vezes resulta em boas experiências, outras vezes não consegue materializar-se em algo concreto. Contudo a jovem produtora consegue trazer ideias sólidas para a sua música. Mesmo sabendo que ainda está a construir um sonoridade.

Goal não se apresenta como uma ideia fechada, mas sim como um caminho. E a pista de dança faz-se de vários caminhos. Desta vez foi-nos apresentado três músicas, que podiam viver como singles, mas casam bem no seu todo. Poderá existir uma evolução, deverá existir uma evolução e é isso que esperamos ouvir no futuro. Por agora, esta música já nos soa bem.

Nota: 7.5/10

Rodrigo Toledo